Artigo

O marketing médico se aplica a todas as especialidades?

Publicado em 25.05.2017

O marketing médico se aplica a todas as especialidades?

Poucos temas são tão universais e permanentes como aqueles relacionados à saúde. Em virtude disso, o marketing médico também se torna uma necessidade constante.

No entanto, ao contrário das demais áreas do marketing, o marketing médico possui algumas peculiaridades, especialmente aquelas relacionadas a questões éticas.

Inclusive, a fiscalização do Conselho Federal de Medicina (CFM) é bastante rigorosa nesse sentido. O CFM chegou a publicar uma resolução específica sobre propaganda e publicidade na área médica, tamanho o cuidado que tem com a questão: é a Resolução 1.974/2011.

Diante disso, resta a dúvida: é possível aplicar o marketing médico em todas as especialidades da medicina? De que forma ele pode ser feito? É o que vamos responder nesse post. Acompanhe!

Como fazer marketing médico?

A criação de uma campanha de marketing médico para uma clínica, bem como o desenvolvimento de conteúdos úteis para serem compartilhados online, deve levar em consideração alguns fatores importantes, como:

  • a privacidade do paciente;
  • a ética profissional;
  • as diretrizes dos conselhos médicos;
  • a legislação brasileira sobre marketing e publicidade.

Por isso, promover uma clínica não é a mesma coisa que promover uma empresa qualquer. Existem regras a serem seguidas no marketing médico, tais como:

  • não usar fotos de pacientes nos materiais de divulgação;
  • não fazer uso de expressões exageradas de autopromoção;
  • não divulgar preços;
  • não divulgar informações inverídicas ou duvidosas, etc.

Dicas de como fazer um marketing médico ético e eficaz

Humanize a sua clínica

Uma clínica médica não deve ser percebida pelo paciente como uma empresa que visa o lucro, mas sim como um local que preza pela saúde.

Publique no seu site fotos dos médicos, técnicos, enfermeiros e demais funcionários da clínica em vez de usar fotografias de modelos, que soaria artificial. Os pacientes se sentirão mais confortáveis ao perceberem que estão num ambiente humanizado, onde os colaboradores são tratados com respeito.

Conte a sua história

Não importa o tamanho da sua clínica, o importante é escrever uma boa apresentação e publicar boas fotos para contar a sua história.

Um bom ponto de partida, por exemplo, é responder às seguintes perguntas:

  • Por que decidiu abrir a sua própria clínica?
  • Quem são os médicos que trabalham nela?
  • Quais são suas especialidades?
  • Quais são os tratamentos que a clínica oferece?
  • Como ela pode ajudar seus pacientes?

Compartilhe conteúdos nas redes sociais

Atualmente, fazer marketing sem usar as redes sociais é um erro grave, pois a maior parte das pessoas está conectada durante todo o dia. No marketing médico, isso não é diferente.

Uma clínica médica deve ter, pelo menos, uma página no Facebook atualizada e bem otimizada, pelos seguintes motivos:

  • o Facebook permite que potenciais pacientes da sua região conheçam rapidamente a sua clínica;
  • cada vez mais os pacientes consultam a página da clínica antes de agendar uma consulta, principalmente para verificar as avaliações de outros pacientes;
  • em cidades maiores, com grande variedade de clínicas, há um bom potencial de pacientes novos ou vindos de outras regiões que procuram médicos pela internet. Por isso, é importante otimizar o conteúdo usando as regras de SEO e compartilhá-lo nas redes sociais.

O marketing médico pode ser usado em qualquer especialidade?

Essa é uma pergunta que pode gerar dúvidas. Um dos motivos principais é o uso da palavra “marketing” que, muitas vezes, é tomada em um sentido pejorativo.

No entanto, a resposta para essa pergunta é sim, qualquer especialidade pode fazer uso do marketing médico! Mas atenção: é preciso muito cuidado para fazer tudo de forma ética, analisando sempre o grau de sensibilidade de cada especialidade.

Clínicas de oftalmologia, dermatologia e fisioterapia, por exemplo, são muito mais abertas ao marketing médico. Por outro lado, especialidades como oncologia e psiquiatria provocam extrema sensibilidade no público por tratarem de doenças graves — como o câncer e a demência — ou de situações delicadas — como a recuperação de dependentes químicos.

Nesses casos, o marketing médico deve ser sutil e discreto, sempre respeitando os limites éticos e fazendo uso do bom senso. Por isso, ao contrário de outras áreas, o marketing de uma clínica não pode ser feito por qualquer agência, mas por uma que seja especializada nesse ramo.

Gostou de saber mais sobre o marketing na área de saúde? Quer continuar acompanhando outros conteúdos exclusivos? Assine a nossa newsletter e fique por dentro de novas estratégias para aplicar no marketing da sua clínica!

O que é um QR code?

Artigo

O que é um QR code?

Construindo a sua reputação online na área da saúde

E-book

Construindo a sua reputação online na área da saúde

Receba nosso conteúdo VIP